1 de outubro de 2008

Roge

Roge é meu avô paterno, já não está entre nós. Se estivesse vivo, estaria fazendo hoje 107 anos. Na verdade, seu nome era Joaquim Tobias de Figueiredo.
Era de Patrocínio Paulista e era considerado um homem muito forte. O apelido Roge era por causa de um canivete que tinha esse nome e que na época de sua juventude era muito conhecido por ter grande resistência.
Meu pai me contava que uma vez, ele conseguiu segurar um automóvel (uma Kombi, eu acho) que ia tombar, evitando que ocorresse um acidente.
Convivi pouco com ele, mas do que pude aprender, a simplicidade é a base de tudo. Como tudo na vida.
Meu avô foi administrador de fazenda e era um homem rude, mas não perdeu a ternura. Nunca percamos a ternura que existe em nós.
Nunca me esquecerei de meu avô. Sempre serei forte, sempre serei Roge.

3 comentários:

Anônimo disse...

Linda esta homenagem para seu avô.
Ternura, força, determinação, fé , otimismo... Você sempre lembra dele com muito carinho e respeito.
Você é LUZ pura!! quanta enérgia postiva você tem. Graças á DEUS!!.Pois passar o que a gente tá passando... somente com muita LUZ, FÉ E HARMONIA, para superar!!
Beijos.
Te Amo.
Márcia

Zazá Lee disse...

Pedro...
Eu gostei muito por lembrar-se do Vô Roge!
Senti saudades... que pena que as pessoas vão embora né?
Retorno hoje ao Brasil.

Bj

PÉ DE PITANGA disse...

Pedro, vi que no meu blog nao tem mais o nr. de acessos de visitantes (vc tirou?) Hum... eu adorava! E as musicas tambem nao mostram os acessos...
Bjs